Arruda (Ruta graveloens L.) para afastar o que não for bom.

Atualizado: 9 de jun. de 2021

A Ruta graveloens L., conhecida como Arruda, ou mesmo, Arruda-Fedorenta, é uma planta extremamente aromática e medicinal, com pequenas folhas azul-esverdeadas e flores amarelo-esverdeadas. Pertence a família Rutaceae, que abriga mais de 1600 espécies diferentes de arbustos e pequenas árvores, inclusive, dentre elas, as frutas cítricas. As plantas desta família crescem, principalmente em países de climas tropicais, subtropicais e temperados. A Arruda não é diferente: é originária da região mediterrânea, ali entre o sul da Europa, norte da África e oeste da Ásia.


A Arruda é amplamente utilizada na medicina popular, ou tradicional. A extração de suas propriedades curativas pode ser realizada pelo método de infusão de folhas e galhos, ou seja, o preparo de chá, em dosagens baixas (de 2 a 5g de planta para cada 1 litro de água) e sempre para ser usado com fim medicinal! De acordo com a Monografia da Ruta graveolens L. (Arruda), publicada pelo Ministério da Saúde do Brasil em 2015, os usos mais recorrentes da planta, dentro do aspecto de cura do corpo físico, estão relacionadas a:


"- Dores de cabeça, no estômago, de dente, de ouvido, cólica, gases, rouquidão, cólica menstrual, dores ovarianas, de barriga, antitérmico, inflamações na pele e cãimbras;

- Recaída de mulher, emenagoga, antiséptico, anti-tétano (infecções), estimulante, abortivo, analgésico contra dores reumáticas, cólicas, amenorreia, menorragia, trombose e hematomas

- Tratamento de doenças do aparelho genital e respiratório, tosse, sinusite, infecção intestinal, bexiga e rins;

- Diurético, conjuntivite, rouquidão, digestivo e/ou calmante;

- Rigidez do pescoço, tonturas, convulsões, diabetes, problemas relacionados ao ouvido interno (tontura, zumbido, etc), neuralgia e paralisia facial;

- Repelente de mosquitos, percevejos, pulgas, tratamento de sarnas, piolhos, vermes e antiparasitária;

- Picadas de cobra, febre, nervosismo, gripes e feridas;"


As vantagens deste chá para a regulação do sistema genital feminino e para o sistema cardiovascular são atribuídas à substância flavonoide rutina, presente também em cítricos, e seu poder antioxidante. Tais vantagens, entretanto, podem ser desvantagens para quem faz uso de anticoagulantes, pois a reação do chá de arruda com tais remédios pode causar hemorragias. Além, o chá também não é recomendado para gestantes, já que pode ser abortivo.


Apesar de seu poder bioquímico medicinal e da grande quantidade de trabalhos científicos levantados relacionados às diferentes atividades farmacológicas das preparações da planta, o principal uso da espécie R. graveolens sempre esteve relacionado a folclores populares. A Arruda é empregada para energizar pessoas, afastar o mau olhado, as más vibrações de pessoas invejosas, proteger residências de visitantes com intenções ou energias negativas e é utilizada nos mais diversos rituais religiosos.

Já na Grécia antiga, a planta era usada para tratar enfermidades, atuando como um purgante (aqui ainda em termos que misturam o corpo físico e espiritual) conforme registram escritos de Hipócrates, considerado o “pai” grego da medicina. Porém, sua maior utilização era de ordem espiritual, para combater as forças do mal. O estudo de Almeida (2000) nos apresenta que a Arruda era considerada por ser “regida por Marte, dedicada à Ártemis, e ligada à saúde, à proteção e ao amor”. Diz-se, ainda, que no império romano usava-se a planta para afastar as mazelas do espírito.


Foi durante a Idade Média Europeia que a Arruda atingiu seu ápice de uso. Esteve profundamente ligada com aspectos esotéricos e associados a bruxarias - além de ser utilizada como abortiva e anticonvulsivante. Poderia ser usada com objetivo de afastar a peste negra ou espíritos ruins. No texto teatral Hamlet, a Arruda é citada como "a erva sagrada dos domingos". Dizem que ela passou a ser chamada assim, porque nos rituais de exorcismo, realizados aos domingos, era feito um preparado à base de vinho e arruda que era ingerido pelos “possuídos" antes de serem exorcizados pelos padres.


A Arruda chegou às Américas Tropicais após a colonização, junto de outras ervas e especiarias. No Brasil colônia, a Arruda foi apropriada pelos rituais africanos. A famosa pintura intitulada "O vendedor de arruda”, do artista Jean-Baptiste Debret, retrata o comércio da arruda realizado pelas escravas africanas nas terras brasileiras. Na época, ramos de Arruda eram vendidos como amuletos para sorte e proteção. Na umbanda, ainda hoje é utilizada em rezas, defumações, banhos e benzeduras, e reconhecida como uma planta de proteção e limpeza energética.



Eu estou muito feliz em poder escrever sobre e enaltecer a arruda hoje, dia em que teremos a primeira lua cheia de 2021, é uma lua poderosa para colher as bênçãos que plantamos. Que tal experimentar um banho de arruda? Basta adicionar a erva em água quente, esperar esfriar e despejar o líquido sobre ti durante o banho. Não aplique no rosto! Depois do banho da erva, passar água corrente sobre a pele, pois a arruda é rica em bergapteno, substância que pode manchar a pele!

19 visualizações0 comentário