O que são os vinagres e quais são seus benefícios para o cuidado do corpo e da casa?

Atualizado: 9 de jun. de 2021

O vinagre, ingrediente comum na alimentação de povos das mais diversas regiões do globo terrestre, é um líquido vivo, ou melhor, preenchido por vida. É um fermentado - ou seja, fruto da ação de diversos microorganismos, atuantes na decomposição de alguma substância orgânica, nesse caso, de álcool. Acontece de forma selvagem na natureza, porém, é possível cultivar uma colônia doméstica e controlada para produção de vinagres caseiros. Seu uso é milenar e suas propriedades reconhecidas como medicinais.



Dentre as variações mais antigas de vinagre, o de vinho se destaca. Inclusive, é daí que vem o nome nas línguas latinas - vinum acre, vinho azedo. Hoje este é popularmente conhecido e comercializado como Aceto Balsâmico, produto com alto valor agregado. A receita tem origem há cerca de 8.000 anos, e foi desenvolvida ao mesmo tempo em diversas regiões do mediterrâneo. É possível dizer que houve vinagre a partir do momento que houve vinho. Outras receitas tradicionais e ancestrais utilizam-se de tâmara, como no Oriente Médio e arroz, como na Ásia.

Tanto o suco de uva, quanto de tâmara ou de arroz são líquidos ideais para a multiplicação das bactérias responsáveis pelas fermentações alcóolicas e, na presença de oxigênio, acéticas. São ricos em açúcares e amidos que são digeridos por leveduras, e que após fermentados, se tornam em álcool. Quando a solução já está alcoolizada, torna-se ambiente perfeito para a alimentação e reprodução das bactérias responsáveis pelo vinagre.

As acetobacters são um grupo de pequenos seres que utilizam do álcool para sua geração de energia e que quando concluído o processo, expelem ácido acético. São aeróbias obrigatórias, o que significa que para sobreviverem, precisam ter oxigênio disponível no espaço de cultivo. É como uma alimentação, porém, de organismos do reino morena, aquele das bactérias. Elas são consideradas não patogênicas, ou seja, não causam nenhuma doença para o ser humano quando consumidas.

Pelo contrário, o consumo de fermentados de acetobacter tem sido considerado medicinal há milhares de anos. Hipócrates, considerado o pai da medicina ocidental, já dizia sobre a utilização do líquido para tratamentos. No Império Romano, o vinagre era diluído com água e utilizado pelos soldados para inibir a sede. Durante todo o Império Bizantino, os árabes difundiram a utilização alimentar do vinagre em toda sua região de domínio. Já na idade média europeia, a potência de conservante do vinagre era a mais visada, sendo utilizado para preservar pedaços de animais mortos destinados ao consumo humano.

No final século VIII, o alquimista árabe Jabir ibn Hayyan (Géber, em português), foi o primeiro a destilar o vinagre, obtendo um ácido acético puro e hiper-concentrado. Entre os anos de 1864 e 1868, Pasteur pode comprovar as sugestões de alguns cientistas que o precederam nas pesquisas, que para a produção de vinagre, era necessário ter microorganismos vivos em ação. Nos anos seguintes, pesquisadores identificaram numerosas bactérias responsáveis pela fermentação acética. No século XX, foi descoberto que soluções de bactérias mortas também produziam ácido acético.


Créditos a DR. ARTHUR SIEGELMAN, VISUALS UNLIMITED / SCIENCE PHOTO LIBRARY. Acetobacter aceti. LM X500.

Tais descobertas embasaram o desenvolvimento de métodos de produção de vinagre em níveis industriais. Hoje, o vinagre pode ser encontrado no Brasil em qualquer mercado, feitos de diversas matérias-primas, como a cana-de-açucar, a maça e o vinho e com qualidades também diversas. Vinagres de boa qualidade, como os feitos de forma artesanal e a partir de frutas, dos quais o de maça é o representante mais popular, têm diversas propriedades medicinais reconhecidas atualmente. É regulador da digestão, aumentando a quantidade de ácido no estômago, e excelente aliado do controle do açúcar no corpo, indicado para combater diabetes.


Porém, deve ser consumido em pequenas quantidades, já que é uma substância bem ácida, que em excesso, pode queimar a boca e garganta e causar náuseas. Temperar saladas, fazer conservas ou adicioná-lo a molhos e geleias podem ser ótimas formas de introduzir vinagre na alimentação. Além de temperar comidas, o vinagre pode ser utilizado diluído de forma tópica, para combater acne ou outros fungos. A sugestão é aplicar antes de dormir. Pode ser usado também nos cabelos, como regulador da acidez dos fios. O resultado é um cabelo macio, com diminuição da quantidade de frizz. É um complemento perfeito para cabelos lavados com sabão, que tem pH levemente básico.


Vinagres podem ser usados para a limpeza da casa, no lugar de alvejantes. Por ter pH ácido, os vinagres têm excelentes capacidades antissépticas e antimicrobianas. São capazes de remover manchas de gordura e fungos de tecidos e superfícies. Podem ser utilizados ao final da lavagem de roupas, para terem função amaciante. Diluídos em um tanto de água, para lavar pisos e superfícies.


O vinagre é um ácido de produção acessível, e pode ser cultivado com segurança em casa. Quer aprender a fazer seu próprio vinagre de fruta? Fica de olho por aqui que em breve vai ter receita!


As referências que foram utilizadas para a produção deste conteúdo foram:


ESTUDO COMPARATIVO DO FERMENTADO ALCOÓLICO E ACÉTICO DE DUAS VARIEDADES DE MAÇÃ, CULTIVADAS POR SISTEMA ORGÂNICO. Marília Camargo Fonteque, Marília Camargo; Farinazzo, Fernanda Silva; Garcia, Sandra. Universidade Estadual de Londrina. Iniciação Científica, 2016.

AVALIAÇÃO DA PADRONIZAÇÃO INTERNA NA DETERMINAÇÃO DE CHUMBO EM VINAGRE POR ESPECTROMETRIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA EM FORNO DE GRAFITE. De Oliveira, Silvana Ruella. Universidade Estadual de São Paulo, “Júlio Mesquita Filho” Instituto de Química de Araraquara. Dissertação de Mestrado, 2007.

RECEITA DE VINAGRE VEM DO SÉCULO XI E TEM ORIGEM ÁRABE. Correio Braziliense, 2011. Disponível em: https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/diversao-e-arte/2011/03/19/interna_diversao_arte,243572/receita-do-vinagre-vem-do-seculo-xi-e-tem-origem-arabe.shtml

HISTÓRIA DA TECNOLOGIA QUÍMICA: Alquimia Árabe. Professor Cláudio Gouvêa dos Santos. Universidade Federal de Ouro Preto. Mestrado profissional em ensino de ciências. Disponível em: http://professor.ufop.br/sites/default/files/claudio/files/alquimia_arabe.pdf

42 visualizações0 comentário